Tendências - 03 de outubro, 2019

Para o futuro da inteligência artificial, decisões inteligentes

  •  
O futuro da inteligência artificial

Na era de grandes avanços tecnológicos, um dos que vem se provando mais úteis e revolucionários para a sociedade é a chamada “inteligência artificial”, ou IA. A inteligência artificial consiste, basicamente, em um sistema dotado de inteligência similar à inteligência humana, através de mecanismos ou software, que aprende com dados e ações anteriores, e desenvolve conclusões e respostas similares aos que uma mente humana desenvolveria. Elas são capazes de desenvolver raciocínio, tem habilidade de aprendizagem e reconhecem diferentes padrões.

Por causa de suas habilidades, a inteligência artificial pode ser aplicada em diversos setores da indústria e da sociedade, em busca de melhores serviços, soluções, velocidade e praticidade. De funções simples, como uma busca no Google ou o corretor automático no teclado de um celular, ao manuseio e operação de grandes máquinas industriais – seus usos são praticamente infinitos. Porém, com tanto potencial vem também um grande risco, principalmente quando se trata de segurança e legislação.

Em qualquer nível, seja ele municipal, estadual ou nacional, a criação, alteração e aprovação de leis é um processo longo, exaustivo e minucioso, que exige que uma situação seja vista e avaliada de quase todos os pontos de vista possíveis, para que sejam estabelecidos guias e regulamentações aplicáveis e coerentes com a situação em questão. Para um sistema com utilizações e configurações tão variadas como a inteligência artificial, esse desafio fica ainda maior.

Para o coordenador do Comitê Regulatório da Associação Brasileira das Empresas Software, Andriei Gutierrez, é necessário abordar as questões de regulamentação e legislação de inovação em IA com cautela. “Nações que apoiam ideias inovadoras numa abordagem baseada em riscos têm maiores chances de sucesso”, afirma. É necessário priorizar os valores morais, a vida humana e seu bem-estar, a segurança e principalmente a privacidade. Em uma tecnologia com tanto potencial, todo cuidado é pouco.

Ainda segundo Gutierrez, é imperativo que não se deixe levar pelo simplismo, e tentar criar uma regulação geral para a inteligência artificial. Seus usos e aplicações são extremamente diversos e até mesmo ainda desconhecidos em sua totalidade, e exigem regulamentações que respeitem suas particularidades e necessidades.

O futuro da inteligência artificial é grande, mas vai depender de muita inteligência humana para alcançar todo o seu potencial.

Fonte:
https://newvoice.ai/2019/09/12/o-futuro-da-ia-dependera-de-decisoes-inteligentes/

O futuro da inteligência artificial

Twitter
 

Enviar por e-mail