Inovação - 25 de setembro, 2019

O futuro está em casa

  •  
Casas inteligentes são o futuro

Feche os olhos e imagine a seguinte situação: você está no trabalho e um amigo te envia uma mensagem pedindo um determinado objeto emprestado. O objeto está na sua casa e ele se prontifica a ir buscar. Só tem um problema: a porta da frente está trancada e não tem ninguém em casa – mas, com apenas um toque em um aplicativo, a sua porta é destrancada sem você ter que sair da sua cadeira no escritório.

Ainda no exercício de imaginação, tente outro cenário: você está voltando do trabalho, cansado depois de um dia longo e exaustivo e, no caminho, aperta alguns botões em um aplicativo e quando chega em casa, a temperatura e a iluminação ambiente estão perfeitas para uma noite calma, a banheira cheia de água quente e relaxante, e a sua música favorita ecoando suavemente pelos ambientes da sua casa. 

Parecem coisas de filme futurista, ou dos Jetsons, não é? Mas, em muitas casas, essas situações já são realidade.

Entre as milhares de implantações possíveis da Internet das Coisas (IOT, na sigla em inglês), as chamadas “casas inteligentes” estão entre as mais populares, devido a sua praticidade e irreverência. Através de conexões via Wi-Fi e Bluetooth já é possível integrar vários aspectos de uma casa, automatizando funções dos mais diversos tipos, como a abertura de cortinas, regulagem de temperatura e iluminação, e receber informações como notícias do dia, previsão do tempo e colocar música para tocar – tudo isso, com apenas alguns botões em um aplicativo ou comandos simples de voz.

No Brasil, essa tecnologia está presente em apenas 2% dos lares, mas a tendência é de um aumento que chegue aos dois dígitos na próxima década, conforme a tecnologia IOT fica cada vez mais barata e disponível.

Nas casas inteligentes, os primeiros itens a se beneficiar dessa tecnologia geralmente são os sistemas de segurança. Fechaduras com abertura por biometria (impressão digital ou reconhecimento da face), códigos numéricos e aplicativos de celular já estão disponíveis no mercado e podem ser instaladas com relativa facilidade em qualquer tipo de porta ou portão. Além de mais seguras, essas fechaduras são práticas, já que não demandam chaves e podem permitir, por exemplo, que sejam destrancadas à distância para uma visita ou funcionário.

A economia de tempo também é outro fator que se beneficia com a implantação de sistemas de IOT em casas: já existem eletrodomésticos como aspiradores de pó que andam sozinhos pela casa em horários programados; cafeteiras que, ao serem programadas, fazem café sozinhas; e geladeiras que listam os itens dentro dela e avisam quando algo está em falta, permitindo que você planeje melhor sua próxima ida ao supermercado. 

Além da segurança e da economia de tempo, a sustentabilidade também faz parte da tecnologia IOT em casas. Visando a economia de energia elétrica e recursos, é possível instalar sistemas de regulação automática de temperatura ambiente, fechamento e abertura controlados de cortinas e janelas, e intensidade de lâmpadas. Nesses sistemas, são medidos fatores externos, como temperatura, intensidade da luz do sol, período e dia do ano, e esses dados são utilizados para que os recursos naturais sejam aproveitados ao máximo, economizando nos elétricos.

Casas inteligentes são o futuro

Twitter
 

Enviar por e-mail